Série Divando!!!

11.05.15 Postado por Neguinha | Categoria: Dicas, Felipe Batista, Vídeos

1

Caros leitores, hoje não trago dicas de sexo, amor ou relacionamento como de costume. Vim convidá-los a assistir uma Web Série Gay chamada “Divando”, realizada de forma coletiva e independente pelo canal no Youtube “Projeto Cais”. Farei uma breve síntese dos protagonistas do elenco.

1

A trama tem como protagonista Elias (Renato Ferrier), que vive a drag queen “Madame Deslize” nas noites, fazendo shows em casas noturnas. Entretanto, longe dos palcos, sofre preconceito por todos os lados: desde ser expulsa do prédio alugado pelo seu trabalho, até a discriminação dos próprios gays machistas.

1

Alexandre, ex do Elias, marido do Bruno, sofre de compulsão sexual e faz terapia no DASA (Dependentes de Amor e Sexo Anônimos). Adepto do sexo a 3, tenta convencer Bruno a colocar um terceiro na cama deles. PS: O ator que faz o papel do Alex ( Felipe Coelho) é tão lindo que nem acho que é um problema, ter um marido compulsivo sexual – Felipe! Sobe essa cueca… assanhado! kkk

1

Bruno (Irail Rezende), gay não assumido, que nunca aceitou a sua orientação sexual. Por isso, esconde-a a sete chaves, pois acredita que possa vir atrapalhá-lo profissionalmente. Além de ser completamente intolerante as drags queens e aos afeminados. Ele acha que eles envergonham a imagem dos gays.

Capturar

Matias (Emilio Faustino) almeja conhecer alguém bacana para ter um relacionamento, (sonho de metade dos gays é conhecer um rapaz como ele), porém está completamente insatisfeito com a banalização dos relacionamentos na era Grindr.

Não ache que a trama TODA gira em torno desses assuntos: preconceito com as drags queens, compulsividade sexual, a não aceitação como gay, dificuldade em manter um relacionamento na era dos apps da pegação, sexo a 3… Isso não é nem a ponta do iceberg. Há várias outras problemáticas, tais como: os obstáculos que encaramos em ter um relacionamento com um deficiente auditivo, a aceitação gay pela família, os empecilhos que um casal lésbico enfrentam a adotar uma criança…

Bom, o que eu mais gostei da série, é que pela primeira vez, eu vejo problemáticas da comunidade gay, serem retratadas de formal real e verdadeira, sem fatos errôneos ou utópicos como a Rede Globo faz. Ao mostrar apenas uma face das multifaces da comunidade LGBT que é os gays pintosos como Felix e Clô.

Espero ter convencido-os a assistir a série, não só os gays, mas a galera simpatizante ou quem queira conhecer um pouquinho mais da realidade LGBT de forma nua e crua.

Para não perder o costume, venho pedir que me siga os bons. Aqueles que gostam do meu trabalho e querem saber mais sobre mim. Meu instagram é @lipe_batistaa

felipe-batista

Novidades – recebidos #6

08.05.15 Postado por Neguinha | Categoria: Vlog Mete a Colher

 

Olá suas fofolindas! Hoje vou mostrar pra vocês algumas novidades que recebemos nos últimos tempos. Tem sugestões de presentes para a mamãe e até para o dia dos namorados! Vamos lá?!

—————————————– LINKS ——————————————–

Alessandra Xidis Showroom – Gentlemam Store – Livro da Taty Ferreira

Filhos: Como criar um delinquente em 13 passos

07.05.15 Postado por Neguinha | Categoria: Dicas, Ísis Toth, Pais e Filhos

 

1

Não existem verdades absolutas e teorias definitivas, não estou aqui para publicar estudos científicos e concordar com a “opinião” da multidão, mesmo porque reza a lenda que estamos em um país de livre expressão. Os textos são inspirados em conhecimentos empíricos adquiridos no dia-a-dia e em tudo que venho aprendendo estudando as teorias psicanalíticas de Freud e seus discípulos.

Texto revisado e escrito por Ísis Toth, em parceria com Lucília Reis, amiga e conselheira de todas as horas. Agradeço a todos os meus amigos cobaias que leem meus textos com todo carinho (às vezes nem tanto) antes de eu mandar para a Neguinha publicar. Agradeço também as contribuições nos inúmeros comentários que só me ajudam a melhorar e aprender cada vez mais.

Ísis-Toth

Amor X Libido

06.05.15 Postado por Neguinha | Categoria: Dicas, Felipe Batista

1

Vamos pensar no início de um relacionamento? Mas antes de vocês começarem a namorar. Aquela época que vocês estavam saindo, se conhecendo, verificando se tinham coisas em comum (os primeiros encontros) Provavelmente, assim que vocês se viram, aconteceu a famosa “atração”. Vocês se sentiram atraídos fisicamente um pelo outro. Em seguida, vocês perceberam que tinham coisas em comum, (hábitos, gostos, desejos semelhantes) como ambos eram interessantes e haviam conquistado um ao outro. Vocês decidem tomar a decisão, de se assumirem, levar a sério, o que estão sentindo e oficializá-lo.

No começo do relacionamento, não existe amor (o sentimento) apenas a paixão (a emoção). Como você está muito deslumbrado pela pessoa, está encantado com os gestos dela, com o carinho, com o desejo lá na hora do bem bom, você se apaixona. É muito fácil fazer alguém se apaixonar por você, pois você só precisa fazê-la vivenciar essa emoção da paixão. Se você seguir os passos certinhos da conquista, ela se apaixonará.

Durante a fase da paixão, o desejo e a libido estão a flor da pele, porque estamos experimentando um corpo novo, queremos proporcioná-lo um sexo incrível… Pelo o relacionamento ser muito recente, as únicas coisas que existem são a paixão e o desejo. Se a convivência do casal fluir, se eles traçarem objetivos em comum, se ambos estiverem dispostos a fazer o outro feliz, tudo indica que a fase da paixão irá acabar, pois nasceu algo muito mais sólido, o amor.

Quando amamos, começamos a se preocupar muito mais com a pessoa, querê-la bem, vê-la  feliz, fazer um monte de coisas juntas, protegê-la, acolhê-la, dar colo, curtir a companhia do outro, ficar abraçadinho, passar mais tempo junto…

Na maioria dos relacionamentos, a paixão tende a durar 1 ano, até deixar de ser uma emoção e se transformar no lindo sentimento que, é o amor. Entretanto, na fase de transição da paixão para o amor, em alguns relacionamentos, a frequência sexual diminui. Nós homens começamos a se questionar:

• “Estou levando é chifre, antes nós transamos igual coelho, agora ela vive cheia de frescura.”

•”Fulana nem me ama mais, antes nós transamos todo encontro, agora ela prefere ficar nos beijinhos, abraçados, ao sexo”

• “Nem sei, se esse relacionamento vai pra frente, não transamos mais como antes. Deve ter alguma coisa errada. Não faço ideia do que seja”…

Por ser homem, posso falar disso com propriedade, já me questionei isso e já disse isso aos meus parceiros. Estou até vendo, alguém falar nos comentários: “Nossa, ele é gay. Não deve viver isso. Acho muito nada a ver, um gay falar desse assunto”. Quem tiver um mínimo de instrução, entenderá que pela a linha de tempo do relacionamento, que construí ao longo desse texto, perceberá que não importa se for a um relacionamento entre gays, lésbicas, bissexuais, transexuais… Na transição de paixão para amor, a frequência sexual, em alguns casos, diminui. Assim, cai a ficha que amor e libido, não andam juntos. Uma vez que no começo do relacionamento não havia amor e se transava como um coelho .E, essa queda não está relacionada a menos amor ou traição.

Nem acredito que eu mesmo fui capaz de escrever isso, pois esse fantasma( queda da frequência sexual) já me atormentou várias vezes!

Retomando a problemática do texto, é frustrante para nós homens, está super a fim de transar, e a outra pessoa não está a fim. Consequentemente, ficamos com aqueles questionamentos na cabeça (não me ama mais ou chifre)

Vou te explicar uma coisinha, para algumas pessoas, elas só conseguem transar, se toda a  vida dela está em harmonia (família, trabalho, situação econômica…) Muitas pessoas já me relataram, que diante situações como essas, não tem clima nenhum para sexo:

•Aquele dia, entreguei o relatório para o meu chefe, ele me deu uma bronca, disse que estava horrível  (estou péssimo)

•Nossa, tive uma briga feia com o meu pai (estou arrasada)

•Não consegui pagar o meu cartão de crédito, estou pensando em fazer um empréstimo (estou com a cabeça longe)

Diante de situações como essas, a pessoa tem que explicar, não estou a fim por isso e a outra tem que entender. Eu não sou assim, posso estar com o mundo desabando, que sei que chocolate e sexo são bons a qualquer hora: manhã, tarde, noite e madrugada. Aí eu já esqueço um pouco os meus problemas, pois vou me aliviar, relaxar e ter uma enorme descarga de hormônio após a ejaculação. (Nem todos são como eu)

Em outros casos, nós homens estamos muito a fim, e a pessoa vem dar a desculpa esfarrapada que está com dor de cabeça, cansada ou simplesmente não quer. Aí ficamos puto.

•Se você tiver dor de cabeça, não for enxaqueca, tome um remédio e vá relaxar. ( Não acho que seja desculpa)

•Cansado ou não, uma rapidinha é sempre bem-vinda, deixa bem claro, é só uma rapidinha.

•Não está a fim. Para dar a solução para esse problema, vou usar duas situações as palavras da Bia e do Hell ( Neguinha e Morê)

Num vídeo, não tenho ideia qual seja. A Bia diz que quando o seu parceiro estiver muito pilhado, super a fim, num tesão da porra. A mulher, esperta, deveria, se fazer de boneca inflável, para satisfazer o seu parceiro. Deixe bem claro, estou cansada e não estou a fim, seja rápido. Só de você ter cedido, ele ficará feliz contigo.

1

Seja esperta boba, fale o seguinte: Vou topar, só pra não te deixar na mão, porém você vai me compensar em outra situação, por exemplo:

•Sabe aquele show da Marisa Monte que você está super a fim, e ele não quer te levar.

•Aquele romance no cinema que você quer assistir, e ele não está a fim.

•Aquele social na casa da sua amiga, que ele não gosta, e dar desculpa para não ir.

•Aquele sapato que você viu na vitrine, e não comprou, pois não estava num dia bom, de passar o cartão.

PS: Consiga tirar algum proveito do grande esforço que você fará para satisfaze-lo.

Em outro vídeo, o Hell disse sabiamente que mesmo, se a mulher não estiver a fim, ela deveria topar, porque por mais que ela esteja indisposta e cansada, isso só vai ser no começo, depois que o negócio começar, ela também vai curtir. Por isso, eu acredito que as pessoas que acompanham o canal são mais felizes nos relacionamentos. Existe algo mais útil  do que o conselho desses dois?!

Gostaria de ressaltar que não estou levando em consideração fatores hormonais que possam ter contribuído a queda da frequência sexual, porém sabe-se que se a mulher quase nunca tem desejo e ela não entende o porquê. Essa pode ser o x do problema.

Espero ter ajudado a esclarecer o tema. Se você gostou do texto, não se esqueça de meter a colher e compartilhá-los nas redes sociais. Quem quiser conhecer mais sobre mim, acompanhe o meu Instagram @lipe_batistaa.

felipe-batista

Somos amigos, somos bi, já fui apaixonado por ela.. e agora ela quer ficar comigo!

06.05.15 Postado por Neguinha | Categoria: E-mail do internauta

1

E aí casal, tenho 17 anos, sou bissexual, e o problema é o seguinte: tenho uma amiga que até alguns anos atrás era apaixonado por ela, porém, como era muito tímido, não confessei o que sentia pra ela. Um tempo depois nos afastamos, não estudávamos mais na mesma escola mas ainda tínhamos contato. Ela assumiu que era bi também e namorou uma menina por um ano e meio. Com o passar do tempo, meu interesse por ela passou e ficou só a amizade. Como somos muito próximos resolvi me assumir pra ela também, e com o passar do tempo ficávamos ainda mais próximos. Hoje meu interesse por ela praticamente sumiu, e voltei mais minha atenção para os homens e falo abertamente sobre isso.

O que acontece é que ela revelou estar agora totalmente apaixonada por mim e que não me tira da cabeça, mas a situação se inverteu. Já expliquei tudo o que sinto pra ela mas ainda sim me sinto mal por vê-la decepcionada ao saber que o sentimento não é mutuo. Gosto muito dela, ela tem muitas qualidades que eu gosto e ninguém que eu conheço tem, mas não sinto mais quase nada de antes.

Por favor me ajudem, o que eu faço?
Abraço e valeu.

Ainnnn amiguinho! Olha só, não estou querendo semear o ódio... tá? Mas me diga uma coisa, você conseguiu superar aquela paixão que tinha por ela no passado, não foi?! Então fica tranquilo, pois ela também irá superar o sentimento que tem por você hoje... a única coisa que me deixa preocupada, é o fato de talvez ela poder confundir ou distorcer sua posição. Então acho que você vai ter que ser muito, muito claro com ela. Segurar ela pelos braços, olhar nos olhos e dizer que não vai rolar.

Dessa forma, a amizade de vocês não ficará abalada por maus entendidos. Mas você precisa ter certeza de seus sentimentos... digo isso pois vi que ao final de seu email você escreveu o seguinte "mas não sinto mais quase nada de antes", ou seja, existe um sentimento ainda, né? Tenha cuidado pra não se arrepender depois, se acha que estiver passando por uma fase mais tendenciosa ao mesmo sexo... explique isso para ela e diga que NO MOMENTO não rola, mas que quem sabe em outro momento, né? E proponha que cada um aproveite a vida nesse meio tempo.

Um dia da caça…

04.05.15 Postado por Neguinha | Categoria: Contos, Vitor Lima

Esse conto é uma sequência da história da comerciaria Clícia que desperta para a vida sexual aos 26 anos e passa viver emocionantes aventuras.

Clique aqui para ler o texto A Dama do Lotação, onde é relatada o despertar de Clícia.

1

Um dia da caça…

Usando uma analogia gráfica para definir as mudanças ocorrida na vida de Clícia a partir da experiência tida com um estranho, pode-se dizer que ela vivia em um mundo pintado em escala de cinza. Desde então, paletas de cores com matizes infinitas colorem o seu dia. Para ela, a vida tornou-se infinitamente mais bela.

Pouco tempo depois do ocorrido, ela era praticamente uma nova pessoa. Sua mente estava transformada. Era como se uma força desconhecida houvesse retirado tudo que parecia sujo e moralmente reprovável. Não, ela não havia perdido os freios morais, mas esses já não se mostravam tão complexos e restritivos como antes.

Com a autoestima elevada, Clícia decidiu que precisava mudar de emprego. Deixou a função de vendedora em uma loja para trabalhar em uma butique chique no centro.

Seu visual também se alterava. As roupas largas e compridas, lentamente, foram substituídas por aquelas que mais destacavam seu corpo. Sua sensualidade reprimida se expunha de forma gradual. Mas não era necessário muito para isso. Clícia era uma bela morena. Media por volta de um metro e setenta, cabelos negros e crespos que se alongavam até um pouco abaixo dos ombros. Não era o tipo gorda, nem exageradamente magra. As pernas eram roliças e o bumbum lhe proporcionava um belo contorno na retaguarda. Os seios… Bom… Esses eram um caso à parte. No seu visual antigo, não passavam de volumes por baixo da vestimenta. Com os decotes que se alongavam a cada dia, ganharam um destaque especial, compondo uma “comissão de frente” que atraia olhares desejosos.

Clícia também passou a se masturbar à noite enquanto fantasiava novas aventuras. Desejava repetir o sexo com desconhecidos, mas queria experimentar outras possibilidades além dos ônibus. Pensava em cinemas, supermercados e bancos.

Na butique, ela observava com critério os homens que acompanhavam as namoradas ou esposas nas compras. Os mais interessantes estariam em suas fantasias durante o ato solitário noturno. Mas esses não seriam os seus alvos para algo. Não queria esse tipo de problema, principalmente no ambiente de trabalho. Ela apenas imaginava como seriam seus pênis, se eram grossos ou compridos, se os homens a pegariam com força, se lhes comeriam de quatro ou ser prefeririam o papai-mamãe. Cada detalhe que via neles também eram incluídos nas fantasias, como, por exemplo, os dedos, que imaginava explorando cada orifício de seu corpo.

Da mesma forma que Clícia observava, também era observada. Olhos vorazes lhes devoravam de cima abaixo. E ela os percebia. Em alguns momentos, até chegava a sentir aquela contração pélvica que registrou quando do seu encontro com o desconhecido. Nesses momentos, afastava-se e disfarçava buscando evitar qualquer constrangimento.

O trabalho e o estudo, no entanto, impediam que Clícia realizasse outra aventura sexual. Restava-lhe pouco tempo durante o dia ou à noite. Os finais de semana eram destinados para os trabalhos da faculdade. Compensava a ansiedade com os dedinhos à noite. E tudo ia bem.

Certo dia, durante o trabalho, Clícia notou grandes olhos castanhos a observá-la. Dessa vez, o olhar a incomodou. Estava constrangida e fazia tudo para esquivar-se.

Quem a olhava era Leia, uma ninfeta de 22 anos, branca, cabelos pretos, mais ou menos um metro e sessenta, não mais que cinquenta quilos. Lembrava uma menina. Suas vestimentas contribuíam para essa impressão: trajava um vestido de algodão branco com flores coloridas pintadas. Mas a meninice parava por aí. Leia era puro sexo e agia como predadora. Perseguia Clícia com o olhar por todos os cantos da loja.

Logo que Clícia terminou de atender uma cliente, Leia se aproximou. Clícia perguntou-lhe se podia ajudar e ela respondeu que sim pedindo que mostrasse algumas peças de roupa além de lingeries. De pronto, foi atendida.

– Que tipo você prefere? – indagou Clícia referindo-se à calcinhas e sutiãs.

– Prefiro as bem pequenas e arretadinhas – respondeu Leia enquanto procurava o olhar de Clícia.

Estava explícito que Leia não procurava apenas comprar algumas peças de roupa. Clícia já percebia isso e estava cada vez mais constrangida. Não sabia como se comportar, não sabia como agir com aquela cliente.

Finalmente, Leia escolheu algumas peças. Escolheu também alguns vestidos, blusinhas e bermudas jeans e algumas calcinhas tamanho “P” nas cores brancas e pretas. Juntou tudo em uma cesta e foi ao provador. Clícia ficou à porta esperando. Leia experimentou cada uma das peças combinadas e a cada mudança de roupa, chamava a vendedora para opinar.

– O que achou? Essa bermuda fica legal com essa blusa? – perguntou.

Clícia assentia e sugeria outras combinações até que Leia chamou-a uma última vez no provador.

Ao puxar a cortina, Clícia viu a cliente vestida apenas em uma calcinha branca. Sua pele alva destacava algumas sardas espalhadas pelo corpo e os pequenos seios com mamilos rosados e bicos durinhos.

– Então, gostou? – pergunta Leia dando voltas para que Clícia a visse de vários ângulos.

(mais…)

Gostaria de levar o amigo do meu marido para a nossa cama… será que devo?!

04.05.15 Postado por Neguinha | Categoria: E-mail do internauta

1

A questão é o seguinte, sou casada (juntei as escovas de dentes), há 5 anos, tempo de relacionamento total de 8 anos. Há mais ou menos uns 7 anos, meu marido (na época namorado) começou trabalhar em uma empresa e lá conquistou uma amizade que tem até hoje. Seu melhor amigo. Na época era um casal, porém quando terminou, nós três começamos a passar muito tempo juntos, ele dormia, aqui, jantava, eramos quase um trio… Ele falava das meninas que pegava, eu dava conselho e tals. Isso já faz um três anos. Enfim ele começou a namorar novamente, e recentemente terminou. Mas percebi que me sinto um pouco atraída por ele. Tipo, não para namorar, mas para ficar um noite, sabe? Porém, eu sei que nem meu marido (que eu amo muito) nem ele fariam nada para estragar a amizade. Digo isso porque até pensei em sugerir um a 3… pois somos adeptos ao ménage, já fizemos algumas vezes, mas só com mulheres.
 
Enfim… Não sei o que eu faço, ou o que eu não faço.. Só estou com medo de não conseguir me controlar e fazer uma cagada.

Minha Florrrr... cuidado com seus desejos, eles podem estragar o seu relacionamento! Digo isso pois como vocês são adeptos do sexo a três com mulheres, fica muito fácil perder os limites. Na cabeça do homem, fazer ménage com mais outra mulher é totalmente diferente de fazer com outro homem, salvo algumas exceções, o que não parece ser o caso de vocês... caso contrário ele mesmo já teria feito essa proposta dentro desses anos em que o amigo esteve por aí.

Se você propor algo do tipo para seu marido, o risco que você corre em destruir seu casamento e amizade entre os três é tão grande que eu jamais me arriscaria. Mas essa é a minha opinião pessoal... Sei que muitos irão falar "ahhh... mas se ele pode transar com mais uma mulher, ele deveria aceitar que ela transasse também! Isso não é justo!" , o que muitas pessoas não avaliam em um momento como esses, é que fazer um ménage com mulher e fazer um ménage com um homem são coisas bem diferentes e não estão necessariamente entrelaçadas, cada coisa é diferente. Mas convenhamos Flor, no final das contas só você pode julgar se ele toparia ou não.

Visita à Fábrica da Coca-Cola e Acidez Feminina – #vidativa

01.05.15 Postado por Neguinha | Categoria: Vlog Mete a Colher

Olá pessoas bonitas! Hoje gravamos um dia bem fora do comum… fomos convidados para visitar a fábrica da Coca-Cola e conferir o talk show do Dr. Victor Matsudo sobre #vidativa … mais tarde formos ao lançamento do livro da Taty Ferreira – “Manual da Mulher Bem Resolvida” – confira!

P.S.; prometo tentar não tremer tanto a câmera nos próximos vlogs, ok?!

O PRAZER ORAL, A ORGIA ALIMENTAR E A CULTURA PLUS SIZE. VOCÊ TEM FOME DE QUE? – PT 2

28.04.15 Postado por Neguinha | Categoria: Dicas, Ísis Toth, Pais e Filhos

1

Fala-se tanto em inclusão através da moda plus size e as discussões nos blogs sobre tema são tão acaloradas. Chegam a ser agressivos com  quem pensa de forma diferente. Mas quantos dos que levantam essa bandeira querem realmente ser gordos? Alguém escolheu conscientemente ser gordo?

Curar o físico e o emocional  dos obesos é mais difícil e mais caro. Cuidar de verdade destas pessoas, não dá voto e não enche o bolso das indústrias. E assim seguimos manipulados e em fila pelo túnel da ignorância que pode desembocar na morte. Lembrei agora do filme, O menino do pijama listrado, em que as pessoas em uma espécie de comboio iam  para a câmara de gás sem saber que seriam mortas. Quantos morreram no holocausto? Há quem diga que foram 6 milhões. Pois é, a cada 2 anos, estamos perdendo quase isso em decorrência da obesidade.

A diferença hoje é que não estamos nos campos de concentração, temos acesso à informação e podemos fazer escolhas. E por que não fazemos? Preferimos alimentar essa tendência a auto-destruição e ainda estamos formando grupos de apoio a tudo isso, e o que é pior, chamando quem não compartilha destas ideias de preconceituoso gordofóbico.

Eles colocam imagens horríveis na embalagem do cigarro dizendo que o uso é arriscado para a saúde, por que não fazem o mesmo na embalagem do refrigerante que você bebe ou no biscoito recheado que seu filho consome? Imagine aquele fast food famoso com uma placa, CONSUMAM COM MODERAÇÃO?

Falando um pouco do que pode ser a raiz do problema e de como prevenir a obesidade nos nossos filhos.

1

Hoje em dia as mães amamentam (quando amamentam) enquanto navegam na internet, falam ao telefone, conversam com a amiga. A compulsão alimentar pode originar-se no período da amamentação, quando não há troca afetiva suficiente entre mãe e filho. O momento da amamentação deve ser preservado, pois além do leite a criança precisa se sentir amada. Prova disso é o bebê que chora pelo peito quando na verdade não está com fome, mas quer mesmo é estar no colo da mãe. Portanto, parar para amamentar, fazer isso com amor, olhar nos olhos do filho enquanto ele mama é essencial para a criança. Outro aspecto pouco falado é que o metabolismo do ser humano é formado no período da amamentação, o leite materno apresenta hormônios que regulam a saciedade.

1

É difícil amamentar nos dias de hoje, temos que cuidar da casa, do marido, muitas vezes trabalhar. Faz tanto sentido o fato da obesidade ter aumentando hoje com relação ao que era na época das nossas avós, naquela época as mulheres viviam em função de amamentar. Claro que com a realidade de hoje não conseguirmos ser assim, mas não podemos fazer melhor?

E por fim, não adianta levantar a lebre e não deixar nada de construtivo para quem quer realmente mudar de situação. Abaixo algumas indicações para quem quer se ajudar:

Se ainda não assistiram, assistam o filme Super size me – A dieta do palhaço e reflitam se a bandeira que você está levantando em favor de ser obeso é sua ou é de uma indústria manipuladora que já matou muita gente e vai continuar matando.

Para as futuras mamães, indico o livro, O que esperar quando você está esperando de autoria de Arlene Eisenberg, Heidi Murkoff e Sandee Hathaway. Sobre amamentação, o livro O guia da amamentação de Ariane Brand, deve ser lido por todas as mamães. E para a ala dos obesos infelizes com o próprio corpo, indico o livro Pense Magro – A Dieta Definitiva de Beck de Judith S. Beck.

Ísis-Toth

HOT VLOG: Bate Papo com um trio… Um Casal que tem uma namorada!

27.04.15 Postado por Neguinha | Categoria: Vlog Mete a Colher

Olá gente bonita! Hoje nós fomos conhecer um pouco mais sobre a história de um trio, ou seja, um casal que tem uma namorada! Infelizmente o ambiente era escuro e as imagens ficaram escuras… mas acho que o bate papo faz valer a pena! Muito obrigada ao trio por compartilhar com a gente todas as histórias, adoramos conhecer vocês!

Receba os vídeos do maior canal de relacionamentos do Brasil em seu e-mail.

Cadastre seu e-mail para receber os vídeos do Mete a Colher e aprenda mais sobre sexo e relacionamento.

Respeitamos sua privacidade
Receba os vídeos do maior canal de relacionamentos do Brasil em seu e-mail.

Cadastre seu e-mail para receber os vídeos do Mete a Colher e aprenda mais sobre sexo e relacionamento.

Respeitamos sua privacidade